Confira a Edição Especial do Jornal do SindCT sobre a Reforma da Previdência:

 

Nota do SindCT

 

31 de março de 1964. Comemorar o quê?

 

 A nota do Ministro da Defesa sobre o 31 de março de 1964, assinada também pelos comandantes das forças armadas brasileiras tem tanto de inapropriado e inconveniente quanto de ridículo. A história não aponta justificativas à tomada do governo por militares por 21 anos. Longe disso, o povo sabe que, em nome de deter o avanço de ideologias totalitárias, o governo golpista militar engendrou as páginas mais sangrentas da história do país, plena de totalitarismo e repressão: supressão de direitos, prisões arbitrárias, tortura e morte.

Interrompeu-se o efeito curativo do tempo, dos erros e desmandos, de violências e crimes que se buscou soterrar sob o manto da anistia geral e irrestrita, que deveria soar como promessa de perdão e esquecimento.

Será que a sociedade quer descobrir a história por baixo deste manto? Não é bom, descobrirá que crimes contra a humanidade nunca deveriam receber perdão irrestrito e que canalhas protegidos por este manto jamais deveriam ser enaltecidos pelas autoridades máximas de um país, pois isto não ajuda a ninguém, a não ser a personalidades mais doentias, quando menos, infantis.

Os vinte e um anos do governo militar do Brasil não foram nenhuma jóia preciosa em relação aos avanços sociais ou da economia, algo tão erroneamente propalado numa propaganda contextualizada pelo esquecimento de outros aspectos.

A ditadura militar instalada no Brasil em 31 de março de 1964 deixou como legado uma hiperinflação na seguinte escalada: 46% em 1976; 38% em 1977; 41% em 1978; 77% em 1979. É pouco? Então vai mais: 110% em 1980; 210% em 1983; 223% em 1984. O salário mínimo, atualizado ao poder de compra atual, era de R$ 1.232 em março de 1964; caiu para R$ 710 em 1967; para R$ 682 1969; para R$ 661 1974; e para R$ 563 em 1983. Um quinto das crianças na faixa etária entre 10 a 14 anos eram analfabetas em 1983. As condições de vida durante a ditadura pioraram: a expectativa de vida, que era de 55,5 anos em 1960, cai para espantosos 51 em 1970, só retomando o patamar de 55 em 1980. A dívida externa, que era de US$ 3,6 bilhões em 1964 e atingiu US$ 93 bilhões em 1984, deixou-nos longa e profunda crise econômica.

Nenhum governo militar totalitário conseguiu prover democracia e liberdade. Deixemos de lado o passado, reaprendamos a confiar e estimar as nossas forças armadas, por sua reputação patriota, construindo um salutar sentimento de gratidão por sua disponibilidade de defensores da democracia e da soberania nacional.

Há muito o que fazer, uma obra homérica para combater a desigualdade econômica e social. Voltemo-nos ao presente e reconheçamos: a melhor maneira de transformar este país em uma Cuba é fomentarmos aqui as mesmas razões que levaram os Cubanos à revolução: exatamente o caminho escolhido pelo governo atual, de adoção de políticas ainda mais concentradoras de renda, de retrocessos de direitos trabalhistas, previdenciários e sociais, fomentadoras da miséria e da fome.

Esqueçamos os mortos, celebremos a vida, é momento de pacificar o país, não de fomentar provocações sem sentido, que em nada contribuem para a maturidade da nação que merecemos ser.

Não há o que comemorar no 31 de março de 1964. Há o que esquecer e perdoar, atitude desprovida de emoção, mas carregada de abnegação e sofrimento oblativo.

Ditadura nunca mais!

Brasil com Ciência TV

IPMET - conheça o Centro de Meteorologia de Bauru

17/04/2019 - 11:25

Shirley Marciano

Saiba como funciona o Centro de Meteorologia de Bauru, que é  vinculado a Universidade Estadual de São Paulo, e que faz previsão do tempo por meio de radar. Conheça também os cursos da área que são ministrados pelo instituto.

É muito importante que se inscreva no nosso canal no Youtube, comente e, se gostar, dê um like, que ficaremos muito felizes smiley

Também estamos no Facebook. Aguardamos você!

Esse programa é realizado pelo SindCT, em parceria com a TVT (canal aberto na grande SP) e com a Plural (canal 3 da Net).

Os programas inéditos entram toda sexta-feira, às 22h, pelos dois canais citados.

Gesamtkunstwerk - Estreia

Gesamtkunstwerk, o novo programa da Rádio CT

12/04/2019 - 10:00

Shirley Marciano

No dia 17/04 (quarta-feira), às 9h, estreia o novo programa da Rádio CT, sob a liderança do produtor e apresentador Maurici Damasceno. O programa, que tem duração de uma hora, vai levar notícia, cultura e entrenimento de uma forma, digamos, gesamtkunstwerk, toda quarta e sexta-feira, sempre às 9h.

Mas, afinal, o que é gesamtkunstwerk? Bem, aqui achamos uma definição: "gesamtkunstwerk, ou em português, obra de arte total, é um conceito estético oriundo do romantismo alemão do século XIX. Geralmente associado ao compositor alemão Richard Wagner, o termo refere-se à conjugação de música, teatro, canto, dança e artes plásticas, em uma única obra de arte".

Agora, segue o desafio: quem consegue falar essa palavra diferentona? Nós da equipe ainda estamos treinando blush

Contamos com sua audiência e participação! 

Você pode ouvir/assistir a Rádio CT de duas formas: www.radioct.com (som) ou facebook.com/radioctface (live - vídeo)

Última Rapidinha

78ª Edição (Abr/2019)

Brasil com Ciência TV

Fórum de C&T

Blog Espacial

Rádio CT

RapNet SindCT

Cadastre-se e receba as rapidinhas por email

Redes Sociais

             

Diagnóstico da C&T